O amor está nas pequenas coisas

O que lhe chama à atenção? Pense nisso. Apercebe-se da batida do seu coração, do conforto de um banho quente ou do facto de ter comida na cozinha? O meu palpite é que essas coisas (e um milhão de outras coisas que são comuns na sua vida) não chamam a sua atenção. E se estas não chamam a sua atenção, então também não recebem a sua apreciação.

Quando foi a última vez que disse para si mesmo: “Estou tão feliz que o meu coração esteja a bater”?

Depois do seu último banho quente, escreveu uma nota de agradecimento ao seu fornecedor de energia? Eu não o fiz…

Agradeceu ao supermercado por ter sempre comida disponível? Provavelmente não, certo?

Não é estranho não estarmos agradecidos pelas coisas que nos são tão essenciais na nossa vida? Sem elas, seríamos infelizes. Mas enquanto as temos, nem nos apercebemos.

Imagine-se nesta situação: é 1945. Está num campo de concentração em Auschwitz há 6 anos. Durante esse tempo, nunca teve um banho quente ou uma refeição decente.

Então, um dia, é libertado.

Consegue imaginar o seu primeiro banho quente? O que estaria a sentir? O que diria à pessoa que lhe serviria a sua primeira refeição decente? Acha que se sentiria agradecido? Não creio que haja qualquer dúvida de que sentiria uma enorme gratidão.

Então o que desperta a gratidão dentro de nós? É quando somos os destinatários de bondade pouco frequente.

A natureza humana é tal que existe uma relação inversa entre frequência e apreciação. Quanto mais tem (o que quer que seja), mais espera, e menos provável é que aprecie. E não faz diferença quão crucial é. A batida do seu coração é um exemplo perfeito. Não há nada mais crucial na sua vida. Mas também não há nada mais frequente. E provavelmente não está grato pelo bater do seu coração.

Isto explica por que é tão comum as pessoas se sentirem pouco valorizadas pelos seus parceiros. À medida que a frequência com que fazemos coisas um para o outro aumenta (à medida que os anos de casamento passam), a experiência (e a expressão) de gratidão diminui.

Parceiros fazem mais um pelo outro do que qualquer outra pessoa nas suas vidas, mas esse é exatamente o problema!

E é este um dos grandes desafios de um casamento duradouro. Nós ansiamos ser apreciados. Um relacionamento bem sucedido depende disso. Por isso, da próxima vez que o seu parceiro fizer algo por si, por mais banal que seja, sinta-se agradecido e agradeça-lhe!