Como superar uma traição

Uma vez, uma mulher que tinha acabado de descobrir que o seu marido a tinha traído por muitos anos, numa das nossas sessões fez-me uma excelente pergunta.

Ela perguntou-me: “O meu marido já me pediu desculpa 100 vezes, deixou de estar com a amante e está comprometido em ser um homem diferente. Eu vejo que ele mudou. Mas não seria melhor eu me divorciar dele e começar de novo com outra pessoa?”

Eu entendi o ponto de vista dela, claro. Neste momento há muita dor, desconfiança e uma série de feridas para curar. Será que faz mais sentido começar de novo com outra pessoa?

A maioria das vítimas de infidelidade acredita que estarão mais seguras num relacionamento com alguém que nunca as traiu ou magoou. Eu entendo completamente esse sentimento. No entanto, o OPOSTO pode ser verdade.

Neste caso descrito em cima, parece que o marido realmente mudou. E eu vi muitas pessoas a mudar depois de receberem o chamado “quero um divórcio”. A menos que seu parceiro seja um mentiroso patológico ou um sociopata, a probabilidade é MENOR que cometa o mesmo erro novamente. Em outras palavras, quando o seu parceiro aprende a lição, fica menos vulnerável a cometer o mesmo erro do que alguém que nunca errou dessa forma antes.

Esther Perel, uma especialista em infidelidade e relações, diz que embora a infidelidade se tenha tornado um dos principais motivos de divórcio, um grande número de casais mantém-se na relação apesar do caso extraconjugal.

Segundo ela, na verdade depois de um caso extraconjugal acontece uma espécie de divórcio. Dá-se o fim do primeiro casamento. E resta saber se estão dispostos a criar um segundo casamento juntos.

Faz-vos sentido e precisam de ajuda a ultrapassar uma traição? Contactem-nos. O nosso serviço de Divã Virtual é gratuito.

Compre o livro “(IN)FIDELIDADE – Repensar o amor e as relações” de Esther Perel aqui.

“não planeio deixar de amar-te nunca.”

“Ainda estás tão atraído por mim como quando começamos a namorar?” Perguntei ao meu marido enquanto estávamos os dois deitados na cama uma noite.

“Ainda mais”, disse ele, virando-se para mim e descansando a mão na minha bochecha.

“Eu suponho que temos mais três anos até que a crise dos sete anos aconteça”, disse eu, meio na brincadeira, meio a sério. “Embora eu pense que é um mito. Não é?”

“Eu não sei se acredito em qualquer um desses estereótipos sobre relacionamentos”, disse ele, abraçando-me. “Mas eu não planeio deixar de amar-te nunca.”

Porque a chave para o sucesso no casamento não está em encontrar a pessoa certa. Está em aprender a amar a pessoa que encontrou.

Todos os relacionamentos têm um ciclo. E este ciclo começa com paixão. Duas pessoas apaixonam-se, ficam ansiosamente esperando o próximo telefonema, não conseguem esperar para se beijar e adoram tudo no outro.

Apaixonar-se pelo seu parceiro não foi difícil. De facto, foi uma experiência completamente espontânea. Não foi preciso fazer nada. É por isso que se chama “apaixonar-se”. Foi algo que simplesmente aconteceu.

Mas depois de alguns anos de casamento, a euforia do amor desaparece. É o ciclo natural de todos os relacionamentos. Lenta mas seguramente, telefonemas se tornam uma obrigação, o toque nem sempre é bem-vindo (quando acontece), e as idiossincrasias do seu parceiro, em vez de se rir delas, deixam-no louco.

Os sintomas desta etapa variam por relacionamento, mas se pensar no seu casamento, de certeza que nota uma diferença grande entre a etapa inicial quando estavam apaixonados e uma etapa seguinte muito mais enfadonha ou mesmo frustrante.

Neste ponto, você e/ou seu parceiro podem começar a perguntar-se: “Casei com a pessoa certa?” E ao refletir sobre a euforia do amor que já tiveram, podem mesmo começar a desejar essa experiência com outra pessoa. É aqui que muitos casamentos se desmoronam.

As pessoas culpam o seu parceiro pela sua infelicidade e podem mesmo começar a olhar para opções fora do seu casamento. A infidelidade é a mais óbvia. Mas às vezes as pessoas viram-se para o trabalho, a igreja, um hobby, uma amizade.

Só depois se apercebem que não é assim que vão alcançar a felicidade. A resposta para a felicidade NÃO está fora do seu casamento. Está dentro dele.

Não estou a dizer que não se poderia apaixonar-se por outra pessoa. Poderia. E TEMPORARIAMENTE se sentiria melhor. Mas estará na mesma situação alguns anos depois. Porque a CHAVE PARA O SUCESSO NO CASAMENTO NÃO ESTÁ EM ENCONTRAR A PESSOA CERTA; ESTÁ EM APRENDER A AMAR A PESSOA QUE ENCONTROU.

E isso leva tempo, esforço e energia.

Quanto pesa um copo de água?

Pegue num copo de água. A sério! Antes de continuar a ler pegue num copo de água.

Já está?

OK. Agora, segure o copo de água na sua mão e levante-o.

Está a segurar?

Agora, deixe-me perguntar-lhe isto: quão pesado é o copo de água?

Quanto acha que pesa? 300 gramas? 400 gramas? Menos de meio quilo?

Continue a segurar o copo. Não o deixe de segurar ainda.

Quanto acha que pesa agora?

Enquanto continua a segurar o copo de água, notará que o seu peso real não importa. Quanto mais tempo segurar no copo de água, mais pesado ele lhe parecerá, certo?

Se segurar o copo de água por um minuto, não é um problema. Não é pesado.

Mas se segurar o copo de água por uma hora, o seu braço pode começar a doer. Eventualmente o copo de água vai parecer-lhe pesar o mesmo que uma dúzia de tijolos.

O peso do copo de água é sempre o mesmo. Mas quanto mais tempo o segura, mais pesado lhe parece.

É assim que funciona na sua relação também. Quanto mais tempo “segura” os seus problemas, mais pesados ​​ficam.